• Thiago Lima

Na contramão do unilateralismo: Assistência alimentar internacional dos EUA no governo Trump



Os Estados Unidos têm se caracterizado como o principal doador de assistência alimentar para o mundo desde a década de 1950, quando programas de doação internacional de alimentos foram criados. Ao chegar à Casa Branca, Donald Trump propôs extinguir os programas de assistência alimentar internacional, como parte de sua agenda de política externa de desengajamento das organizações internacionais e do multilateralismo. Apesar disso, o que se percebeu de seu governo foi uma continuidade deste tipo de ajuda externa. Quais fatores contribuíram para a continuidade da assistência alimentar internacional dos Estados Unidos? A partir de uma análise de política externa do governo Trump, o artigo aponta para três principais razões: (a) a posição contrária de congressistas e membros do governo aos cortes em ajuda externa propostos pelos “falcões do orçamento” do governo Trump; (b) a escolha estratégica do republicano David Beasley como diretor geral do Programa Mundial de Alimentos; e o (c) lobby feito pelo triângulo de ferro (produtores e processadores agrícolas, empresas de transporte marítimo e ONGs de distribuição). O artigo contribui para entender a influência que atores para além do chefe de Estado, e mediados por instituições (nacionais ou internacionais), podem ter na política externa estadunidense.


Por Atos Dias e Thiago Lima.


O artigo foi publicado na Monções - Revista de Relações Internacionais da UFGD, v. 10, n. 19 (2021). Acesse o artigo completo aqui.


4 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Planeta FOME – uma visão de mundo indigesta

Não coma! Deixe de comer. Aperte o cinto, fume um cigarro. Chupe uma bala, tome um copo de cachaça. Aprecie um salgadinho, mas não coma! Comer é um ato de resistência. Portanto, não resista! Mas resis